Artigos

A vez de Luka Dončić

O melhor basquetebol do Velho Continente está de regresso, esta quinta-feira, com a bola ao ar na edição 2017/18 da Euroliga. Dezasseis equipas de nove países entram em campo com a Final Four de Maio de 2018 no horizonte: Barcelona, Baskonia, Real Madrid, Unicaja Malaga e Valencia (Espanha), Anadolu Efes e Fenerbahçe (Turquia), CSKA de Moscovo e Khimki (Rússia), Olympiakos e Panathinaikos (Grécia), Brose Bamberg (Alemanha), Maccabi Tel Aviv (Israel), Olimpia Milano (Itália), Estrela Vermelha (Sérvia) e Zalgiris Kaunas (Lituânia).

E, depois de um EuroBasket2017 ainda bem fresco na memória de todos os adeptos de basquetebol, a principal competição de clubes da Europa terá um protagonista debaixo dos holofotes: Luka Dončić. Aos 18 anos (só faz 19 em Fevereiro do próximo ano), o versátil esloveno tem tudo para ser a grande figura da prova, sobretudo num ano em que o conjunto treinado por Pablo Laso estará privado do contributo de Sergio Llull durante grande parte ou mesmo toda a temporada.

Candidatos à vitória final

O Real é um dos candidatos a marcar presença na Final Four. É verdade que perderam Llull, mas adicionaram nomes como Facundo Campazzo, Chasson Randle, Fabien Causeur e Ognjen Kuzmic a um plantel já recheado de estrelas. Para além do “Wonder boy”, continuam na capital espanhola Anthony Randolph, Rudy Fernandez, Gustavo Ayon, Jaycee Carroll, Jonas Maciulis, Felipe Reyes, Trey Thompkins e Jeffrey Taylor. Dores de cabeça das boas para o Sr. Laso.

O Real é candidato, mas talvez não seja o maior favorito ao troféu. Pela ausência do #23 e porque existem duas equipas que prometem ser um caso sério, com CSKA de Moscovo na ‘pole position’ da corrida pelo título. Sim, eu li as notícias sobre a saída de Milos Teodosic para a NBA e vou ter saudades das suas assistências mágicas (mas não do seu empenho defensivo). E reparei que Aaron Jackson e James Augustine também deixaram o emblema moscovita. Mas em sentido oposto, chegaram à capital russa Sergio Rodriguez, Leo Westermann, Will Clyburn e Othello Hunter. Os ricos ficaram mais ricos.

A outra equipa que só pode ambicionar a glória é o actual campeão em título. O Fenerbahçe perdeu duas peças-chave dos seus êxitos mais recentes e nenhuma delas dá pelo nome de Anthony Bennett. Bogdan Bogdanovic e Ekpe Udoh atravessaram o Atlântico e seguiram para a NBA, deixando os adeptos turcos à beira de um ataque de nervos. Para (tentar) fazer esquecer Bogdanovic e Udoh, os responsáveis do clube contrataram Brad Wanamaker, Marko Guduric, Nicolo Melli e Jason Thompson. E o melhor treinador da Europa – nota-se que sou fã de Željko Obradović? – há-de meter isto tudo a funcionar.

Depois de Real, CSKA e Fenerbahçe vêm os outros. Olympiakos, Panathinaikos e Barcelona devem lutar pela restante vaga na Final Four, enquanto Maccabi Tel Aviv, Baskonia, Anadolu Efes e Valencia podem ser boas surpresas. Unicaja Malaga, Olimpia Milano e Zalgiris Kaunas só podem sonhar com os playoffs e Brose Bamberg e Estrela Vermelha terão mais pesadelos que sonhos.

Estrelas cintilantes

Dončić, Dončić e Dončić. Na sua época de despedida da Europa – é apontado a uma das três primeiras escolhas do draft da NBA em 2018 -, o miúdo maravilha pode conseguir o feito inédito na história da Euroliga de juntar os prémios de MVP e de Rising Star. Este último já está no bolso do esloveno e a questão é se ganha ou não o maior galardão individual, o que poderá ser mais “fácil” com a ausência de Llull e o previsível aumento de minutos e responsabilidades no Real Madrid. Mas há outros nomes apontados a MVP, desde os crónicos Nando de Colo (CSKA de Moscovo), Alexey Shved (Khimki) e Vassilis Spanoulis (Olympiakos) aos outsiders Sergio Rodriguez (CSKA de Moscovo), Jan Vesely (Fenerbahçe) e Adam Hanga (Barcelona).

Nova fornada de ex-NBA

Da liga norte-americana chegam reforços para várias equipas da Euroliga. Sergio Rodriguez está de regresso à Europa, onde “Chacho” sempre reinou com as suas leituras mortíferas no pick and roll, mas há mais. Norris Cole e Pierre Jackson (Maccabi Tel Aviv), Brian Roberts e Hollis Thompson (Olympiakos), Jordan McRae, Patricio Garino e Marcelinho Huertas (Baskonia), Kevin Seraphin (Barcelona), Jason Thompson (Fenerbahçe), Thomas Robinson (Khimki) e Ray McCallum (Unicaja Malaga) vêm dar à competição mais um carimbo de qualidade.

Previsões (nada) ousadas

Apesar da época de afirmação de Luka Dončić, o francês Nando de Colo deve recuperar o galardão de MVP. Quanto ao título de campeão europeu, meto o meu dinheiro no CSKA de Moscovo, numa Final Four que contará também com Real Madrid, Olympiakos e Fenerbahçe. Desculpa, Željko!